9
jun
2014

Guia das rodas: saiba tudo sobre elas

É somente em situações quando, por exemplo, nos encantamos com um conjunto de rodas automotivas com design novo e diferente e desejamos comprá-lo para instalar em nosso carro, que nos damos conta de que esses itens apresentam muitas distinções entre si.

E talvez aquela roda pela qual nos apaixonamos não se encaixe no automóvel que temos na garagem… Para você não passar aperto nessas e em outras ocasiões, que tal saber mais sobre as características e principais seções das rodas automotivas atuais?

Aro (raio)

O aro corresponde à extensão da roda, considerando-se sua perspectiva circular (ou seja, seria a distância entre os dois pontos mais distantes inseridos no perímetro deste componente do carro). A unidade de aro é apresentada no mercado em polegadas, representando o diâmetro total do anel metálico da roda. Os aros mais comuns em veículos de passeio são aqueles que têm entre 13 e 15 polegadas, mas há ainda rodas com aro 16 e 17 para esses automóveis, cuja instalação pode exigir alterações nos para-lamas (pode ser necessário que sejam alargados ou rebatidos) ou em outras peças.

Tala

Essa medida, também convencionada em polegadas, satisfaz à largura da roda, mas agora na perspectiva da banda de rolagem, ou seja, de uma face lateral à outra do artigo. Nos carros de passeio atualmente montados, a tala padrão varia entre 5 e 6,5 polegadas.

tala-e-aro

Offset

O offset de uma roda de veículo é a distância entre o eixo central da roda e o plano da superfície de montagem do cubo da roda, o que significa dizer que equivale à diferença entre a metade de sua largura e a superfície de apoio da roda no veículo. As medições aqui estão convencionadas em milímetros e podem oferecer um offset positivo ou negativo – situação de extrema importância, já que o offset tem efeito significativo sobre muitos elementos da suspensão de um veículo. Isso inclui a geometria da suspensão, o afastamento entre os itens dos pneus e da suspensão, o raio de esfoliação do sistema de comando e, visualmente, o espaçamento entre a roda e a carroceria do carro.

O ideal é que a flange da roda esteja centralizada em relação à tala, apresentando um offset igual a zero. Mas um offset positivo indica uma diferença maior do que zero, numa situação onde a superfície de apoio está mais interna à roda, e um offset negativo sugere que a superfície de apoio da roda é mais externa, deixando a roda visualmente mais para fora. Um desvio médio de até 5 cm é aceitável para a boa dirigibilidade sem riscos, sem criar um desgaste prematuro dos pneus e componentes da suspensão. Mas para melhor visualizar, temos um imagem.

Rodas

Pitch Circle Diameter (PCD)

PCD corresponde à medição imaginária do diâmetro da circunferência traçada através de todos os parafusos da roda, passando pelo centro de cada um dos furos de fixação. O número de furos de fixação depende basicamente do fabricante, do projeto de engenharia aplicado e do modelo do carro, mas em geral ficam em 4 ou 5 unidades, e podem ser registradas em milímetros ou polegadas.

Um PCD de 5/120 significa que a roda tem cinco pinos dispostos em uma circunferência de 120 mm. Esses valores, em polegadas, seriam expressos em um PCD de 5 x 4 ¾. Já um PCD de 4/114.3 constitui um conjunto de quatro parafusos na roda, com diâmetro imaginário de 114,3 milímetros.

furacao-da-roda

Center Bore (CB) ou anel centralizador

O center bore é o tamanho do orifício no centro da roda, onde se encaixa o espigão. Esse furo central é usualmente medido em milímetros, devendo corresponder com precisão ao tamanho do espigão de cubo do carro, porque o peso do veículo é distribuído e transmitido para esta peça, nas rodas.

Cada veículo tem seu encaixe de cubo, o qual assegura a centralização da roda. O diâmetro desse encaixe, apesar de às vezes variar muito pouco entre os modelos e fabricantes de carros atuais (com diferenças que às vezes chega a irrisórios milímetros) traz influência imediata sobre o balanceamento do conjunto pneu-roda. O cubo deve se embocar de forma impecável, de modo que os anéis centralizadores permitem a utilização de um mesmo modelo de roda, em diferentes modelos ou marcas de automóveis, desde que a quantidade e diâmetro de orifícios dos parafusos (PCD) sejam intercambiáveis.

Agora você já está por dentro de tudo o que precisa saber na hora de trocar seus pneus ou decidir colocar novas rodas do seu carro. Você tem ainda alguma dúvida ou recomendação sobre o assunto? Escreva nos comentários!


POSTADO EM Dicas

COMENTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Mairon Lucas de Souza disse:

    Gostei bastante das informações, mas gostaria de saber ainda mais sobre as rodas de carros.
    Estou fazendo uma roda e quero me especializar nesta área, mas não sei quase nada. Se vocês pudessem me informar sobe como fazer o calculo de balanceamento, o espaçamento dos parafusos e o que for necessário pare fazer uma roda ficaria muito agradecido.
    Muito obrigado.

  • Ricardo disse:

    Boa Noite,

    Tenho um Grand Vitara 2012 e gostaria de colocar a roda S-236 da Scorro. O furo central (center bore) desta roda é maior que o da Grand Vitara (nele é de 60,1mm).

    Fui informado numa loja que devo colocar um anel centralizador de plástico para preencher o espaço vazio e com isto permitir a colocação e o balanceamento corretos da roda. Porém tenho a seguinte dúvida: somente os parafusos que prendem a roda serão capazes de suportar o peso do carro?

    Pergunto-lhes isto porque numa roda original de fabrica o peso do carro é sustentado pelo furo central da roda (center bore) encaixado perfeitamente no espigão de cubo do carro.

    Os parafusos poderão se partir?

    Grato

  • reginaldo oliveira disse:

    Tenho rodas tsw devine aro18 com multi furos, porem ela nao tem o local de encaixe do anel centralizador e quero colocar elas no vectra 2001. Vou conseguir sem problemas?